SegTruck e demais empresas do Grupo Unus manifestam total e irrestrito apoio ao movimento de paralisação dos caminhoneiros iniciado hoje em 17 estados da Federação, o qual reivindica melhores condições de trabalho e dignidade, além de redução no preço do óleo diesel. A política da Petrobras de preços flutuantes, com reajustes quase diários (geralmente para cima) no valor dos combustíveis, levando-se em conta as flutuações do mercado internacional do petróleo, tem tornado ainda mais difícil o bom andamento da atividade dos transportadores de cargas brasileiros.

Desde o começo do ano, o preço do litro do óleo diesel subiu, de acordo com a Agência Nacional do Petróleo, do Gás Natural e dos Biocombustíveis (ANP), 8% nas bombas, enquanto a inflação oficial do período foi, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de 0,92% (aumento real de 7,08%). Em nome da viabilidade de um setor vital para a economia do país, é chegado o momento dos governos (federal e estaduais) reverem a forma como tributam os combustíveis, bem como a Petrobras entender que não é justo a coletividade arcar com os custos de fraudes e falhas na gestão da estatal que se tornaram públicas por meio das investigações da Operação Lava Jato.

Estamos sempre ao lado do irmão caminhoneiro e não nos furtaríamos de nossa missão neste momento tão importante. Pedimos para que os transportadores de cargas façam parte destas manifestações, seja convencendo colegas nos pontos de paralisação ou ficando em casa pelo período mínimo de 72 horas – na pior das hipóteses, que entreguem a carga para a qual foram contratados e não aceitem novos serviços enquanto a manifestação perdurar.

E o mais importante: que tudo isso seja feito de forma pacífica, dentro dos limites legais e com disposição para o diálogo – tanto com autoridades quanto com pessoas que discordam dos objetivos do movimento. Mais do que carregar o desenvolvimento do Brasil nas costas, é importante mostrar que os caminhoneiros estão dispostos a participar dele de forma ativa!

Confira aqui mais detalhes do avanço do movimento e os locais onde há concentração de caminhoneiros. Na imagem abaixo, comunicado da Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA) com os pontos de parada mantidos pelo movimento grevista até a manhã desta terça-feira (22), paralisação que certamente aumentou de proporção nas últimas horas em razão do apoio da opinião pública e de outras categorias de motoristas.

 

mapa

Sub-categorias